sábado, 3 de setembro de 2011

Festa do Avante: 3 de Setembro

Auditório 1.º de Maio


Danças Ocultas apresentam às 16h00 o seu mais recente álbum «Alento», um disco que celebra a carreira internacionalmente aplaudida deste grupo. Composto por Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel, o grupo utiliza o acordeão diatónico (concertina), para dar sopro às suas composições, distinguindo-se pela originalidade da música que criam.



Pelas 19h00 é apresentado um espectáculo em que aos Dead Combo se junta a Royal Orquestra das Caveiras (composta por uma secção de metais, piano e bateria), no seguimento da tour nacional que têm vindo a realizar decorrente do enorme sucesso que foi a primeira apresentação no Teatro São Luiz, em Lisboa, em Novembro de 2009 e que deu origem a um DVD lançado em Junho de 2010.



Depois de no ano passado ter encerrado a Festa do Avante!, o vocalista e baixista dos Xutos & Pontapés regressa à Atalaia, pelas 20h00, com os seus Companheiros de Aventura, desta vez com um espectáculo mais intimista e próximo do público. Com um repertório variado, passando por temas originais a versões de outros compositores, Tim e Companheiros de Aventura é uma viagem pelo melhor da música feita em Portugal.


Maria Anadon actua ao início da noite, pelas 21h00, apresentando um dos grupos com que habitualmente actua: o Latin Jazz Quartet, composto por Victor Zamora (piano), Nelson Cascais (contrabaixo), Marcelo Araújo (bateria) e Gonçalo Sousa (harmónica), reinventando os mais célebres standards do cancioneiro norte-americano, através dos ritmos latinos.


No ano em que se comemoram os 40 anos sobre a edição do seu primeiro registo discográfico, «Os Sobreviventes», Sérgio Godinho celebra o momento de forma única com a apresentação do seu novo disco. O Auditório 1.º de Maio terá a oportunidade de escutar em primeira mão, pelas 22h00, as palavras e os sons do novo trabalho discográfico com edição marcada para o início deste mês.


Budda Power Blues é um power trio, marcadamento influenciado pela Band of Gypsys do lendário Jimi Hendrix. Também BB King, Stevie Wonder e Ray Charles são alguns dos gurus deste trio, que transporta para o palco muita energia, improvisação, blues e funk. A ver pelas 23h00.


A Lisbon Underground Music Ensemble (L.U.M.E.) encerram a noite do Auditório 1.º de Maio pelas 00h00. Fundada em 2006 pelo pianista e compositor Marco Barroso, insere-se no movimento de renovação da big band no jazz actual, tendo como fonte de inspiração instrumental as formações de jazz clássicas mas distanciando-se destas pela intromissão de ingredientes de outras músicas, como o pop-rock, o funk, o free-jazz ou a música contemporânea. Apresenta repertório proveniente do seu álbum homónimo editado em finais do ano passado e muito bem acolhido pela crítica.


Palco 25 de Abril


Os The Poppers praticam um Rock n' Roll bem definido e animado, influenciado pela sonoridade de bandas como os Rolling Stones, The Who ou Small Faces. Apresentam, pelas 15h00 o seu novo álbum, «Up With Lust» e cujo primeiro single será editado brevemente.


Sean Riley & the Slowriders preparam, para a sua estreia na Festa do Avante!, a apresentação do seu terceiro disco de originais «It's Benn a Long Night», depois da sua estreia com «Farwell» em 2007  da confirmação com «Only Time Will Tell» em 2009.


O álbum «World Massala» dos Terrakota reflecte uma identidade musical sólida, pelo que o grupo continua a expandir os seus horizontes musicais, fazendo incursões pelo Rajasthan, Angola, Índia clássica, Cuba ou Cabo Verde. A ver e ouvir pelas 19h00.


Pelas 21h00 os Expensive Soul sobem ao Palco 25 de Abril. Assumindo musicalmente cada vez mais a soul e o R&B como os seus géneros de eleição, espera-se para este ano um espectáculo de consagração, depois da sua presença no ano passado ter sido mais um ponto alto da sua carreira.


Os Clã apresentam no Avante!, pelas 22h00, um espectáculo com os seus maiores êxitos de sempre no qual pontuará também o seu novo projecto «Disco Voador», com canções originais com música de Hélder Gonçalves e letras de Regina Guimarães, à excepção de duas letras de Carlos Tê.


A encerrar a noite, pelas 23h30, sobem ao palco os Trovante, na celebração dos 35 anos do projecto. Vinte anos depois da sua dissolução, aquele que foi um dos mais importantes e inovadores conjuntos musicais portugueses, dá oportunidade de ver e ouvir ao vivo canções que já se tornaram imortais.




Sem comentários:

Enviar um comentário